release | vídeos
Após 20 anos de carreira, Rita Ribeiro lança seu primeiro dvd, em que conta com a participação de Maria Bethânia e Caetano Veloso


Só agora, depois de uma carreira de 20 anos que inclui muitos shows, quatro discos e participações em coletâneas e em projetos especiais, a cantora e compositora Rita Ribeiro lança seu primeiro DVD: Tecnomacumba – a tempo e ao vivo chega à cena musical graças a uma parceria entre Manaxica Produções Artísticas, Canal Brasil e Petrobrás, com distribuição da gravadora Biscoito Fino, e conta com a participação luxuosa de Maria Bethânia em uma das faixas e um texto de apresentação assinado por Caetano Veloso. Tecnomacumba – a tempo e ao vivo é o registro do bem-sucedido show homônimo que virou CD em 2006 e que, nos seis anos em que circulou pelo Brasil, foi visto por mais de duzentas mil pessoas. É fato raro, no Brasil, um show de música ficar em cartaz por seis anos.

“O tempo transformou Tecnomacumba num sucesso de público e, ao mesmo tempo, este show e o disco homônimo que lancei em 2006 aumentaram a minha popularidade em todo o Brasil. O sucesso de Tecnomacumba é produto de meu tempo de trabalho, perseverança e paciência. O DVD chega, portanto, a tempo de coroar a vitória de um projeto para o qual nem todas as portas se abriram. Não por acaso, eu o batizei de ‘A Tempo e ao vivo’”, explica Rita Ribeiro. “Sendo este trabalho tão importante em minha carreira, eu não poderia ter escolhido outro show para servir de base para meu primeiro DVD”, acrescenta.

Em seu texto de apresentação, Caetano Veloso também ressalta o papel do tempo no sucesso de Tecnomacumba, além de se derramar em elogios à voz e ao talento de Rita Ribeiro. Para ele, a compreensão total da importância deste trabalhopara a história da música popular brasileira e para a cultura de herança africana só vai ocorrer daqui a alguns anos. “Por enquanto, disco e DVD vão seduzir pela qualidade musical, pela mistura de ritmos e gêneros musicais, pelo repertório bem selecionado e pela bela voz de Rita Ribeiro”, discorre o compositor baiano.

Sobre ter demorado tanto tempo para lançar o primeiro DVD de sua carreira, a cantora explica que não é de fazer algo apenas porque está na moda ou porque o mercado recomenda. “Eu só faço aquilo que eu quero e em que acredito. Até então, não achava significativo para minha carreira lançar um DVD. Não queria lançar um DVD só por lançar. Queria que o DVD correspondesse a uma vontade minha de me expor de outra maneira que não apenas pela voz e à vontade de meu público de ter um registro audiovisual maior que o videoclipe. Essas vontades chegaram”, detalha.

O DVD Tecnomacumba – A Tempo e ao vivo é mais um fruto da intervenção cultural criada por Rita Ribeiro há seis anos para nomear a fusão entre batuques dos terreiros e beats eletrônicos e que despertou paixão em diferentes públicos. Caetano não é o único a ressaltar a importância cultural dessa iniciativa e o talento de sua criadora. Alcione, Maria Bethânia e Ney Matogrosso aparecem nos extras do DVD em depoimentos também elogiosos. Ney conta que ficou tão impressionado com a performance de Rita em Cavaleiros de Aruanda (Tony Osanah), que decidiu incluir a música no repertório de seu show Inclassificáveis. A participação de Bethânia vai além do depoimento nos extras. A diva baiana divide com Rita Ribeiro os vocais de Iansã (Caetano Veloso), numa interpretação emocionante e memorável.

Os depoimentos dos extras - que incluem também o making-off das gravações - representam a lista de artistas que, ao longo desses seis anos, e a convite de Rita Ribeiro, participaram dos showspor acreditar no projeto, entre eles Beth Carvalho, Sandra de Sá, Margareth Menezes, Mart’nália, Davi Morais e Nicolas Krassik.

Rita Ribeiro busca mostrar que o alicerce da MPB e da eletrônica é a musicalidade ancestral dos terreiros de candomblé, centros de umbanda, batuques e xangôs espalhados pelo país. Por isso, Tecnomacumba – a tempo e ao vivo prima por fusões sutis ou diretas de MPB, sons eletrônicos e pontos e rezas das religiões afro-brasileiras, num repertório que inclui, além das já citadas, Domingo 23 (Jorge Benjor), Babá Alapalá (Gilberto Gil), Oração do Tempo (Caetano Veloso), Coisa da Antiga (Wilson Moreira e Ney Lopes), É D’ Oxum (Gerônimo e Vevé Calazans), Rainha do Mar (Dorival Caymmi) e Cocada (Antonio Vieira), entre outras pérolas. As novidades em relação ao repertório do disco de 2006 são as releituras de Moça Bonita (Jair Amorim e Evaldo Gouveia) e de Xangô, O Vencedor, sucesso popular de Ruy Mauriti que acabou caindo no esquecimento. A direção musical ficou a cargo de Israel Dantas, guitarrista da Cavaleiros de Aruanda, banda que acompanha Rita Ribeiro e da qual também fazem parte os músicos Alexandre Katatu (baixista), Lúcio Vieira (baterista e programador eletrônico), Pedro Milman (tecladista) e Paulo He-Man (percussionista).

A direção geral do dvd é de Wagner Vieira. O show conta com cenário e figurino ecológicos concebidos pelo cenógrafo Cássio Brasil. Cortinas de jornais reciclados fazem referência à decoração dos barracões de terreiros e centros de umbanda e, ao mesmo tempo, à tecnologia que traduziu a oralidade da cultura afro-brasileira em palavras impressas, permitindo a sua preservação e circulação. “Por isso é que, hoje, toda macumba é tecnomacumba”, conclui Rita Ribeiro.

Mais que um novo DVD na praça, Tecnomacumba – a tempo e ao vivo é uma verdadeira pérola aos povos.
Jean Wyllys